/script> Gabriel Fernandes: Lá Vem História

terça-feira, 23 de maio de 2017

Lá Vem História


O Socialismo é reacionário, conservador e totalitário, mas, esperta e desonestamente, atribui suas piores características ao Capitalismo. O movimento socialista surgiu como uma reação ao Iluminismo e à Revolução Industrial que ameaçavam romper a estrutura de poder que vigia na Europa havia mais de mil anos.
O Capitalismo é uma revolução extraordinária que levou ao enfraquecimento dos antigos senhores; à criação dos Estados Nacionais; à extinção do sistema de servidão; à concessão do direito de livre migração; à acumulação de capital; ao crescimento dos burgos; à monetização da economia - com o aumento sem precedentes da circulação de moeda; à formação dos mercados nos moldes modernos; à ampliação da oferta de bens e serviços; à melhoria das condições sanitárias das cidades e vilas; ao aumento da expectativa de vida; à consolidação e universalização do Direito; à valorização do indivíduo como objeto e agente da política; ao respeito às liberdades individuais; à supremacia do Estado de Direito.
 A Democracia é a outra face do Capitalismo. Nunca, na História da Humanidade, existiu Democracia. Não existe Democracia sem Capitalismo.
O socialismo tem suas origens no Século XVIII. Surgiu como reação ao sucesso do emergente sistema capitalista de produção que ameaçava levar ao rompimento, como de fato o fez, da estrutura política medieval que controlava a Europa.
Os poderes político, militar e econômico concentravam-se nas mãos da nobreza e da Igreja: os senhores feudais. A estes cabiam o direito à seigniorage, as decisões sobre formação de preços, salários, taxas de câmbio e juros, as deliberações sobre o que produzir e para quem, o controle sobre o comércio internacional de bens e serviços etc.
O advento do Capitalismo levou a ampla monetização da economia, facilitando as trocas de mercadorias, a contratação de trabalhadores e a acumulação de capital, e pôs fim ao sistema de servidão que constituía a base do sistema feudal de produção. O direito à propriedade permitiu o acúmulo de capital e intensa redistribuição da renda entre grande parcela da população. O sistema capitalista de produção levou a rápida melhoria das condições sanitárias das cidades e importante aumento da expectativa de vida. Logo, os novos burgueses passaram a exigir participação nas decisões políticas, agora respaldados em seu poder econômico. Esse processo causou rápida e profunda redução do poder discricionário dos antigos senhores.
O Capitalismo significou a alforria dos indivíduos. Ninguém mais estava subordinado aos humores dos antigos senhores: tudo passou a ser determinado pelas forças impessoais do mercado.

O Socialismo surgiu como reação à disseminação do Capitalismo na Europa.